• instagram
  • TWITTER
  • facebook
  • TWITCH
  • youtube
  • spotify
um Festival em hiato, que busca um novo formato

Como pensar um festival de música e artes híbridas neste momento de recessão econômica e pandêmica, um ano depois do início do isolamento social? O que apresentar e como apresentar tanto para o público quanto para os artistas envolvidos? Com esses questionamentos, depois de muito planejar e replanejar, nasce a edição do Festival Música Estranha intitulada 8 ½, que será realizada nos dias 24 e 25 de abril, através de suas plataformas virtuais. Essa edição - em referência ao notório filme de Fellini - remete a um estado de suspensão, como um hiato entre tempos, entre passado e futuro, fantasia e realidade, buscando um contato próximo com o público e oferecendo aos artistas um outro tempo para a reflexão e criação artística. 

 

“Buscamos fugir do formato clássico de transmissão de shows ao vivo. O desafio desde o começo era encontrar um jeito novo, que mesmo diante de tantas restrições ainda despertasse o interesse do público, oferecendo uma experiência diferente diante da tela, para os dois lados. A edição 8 1 ⁄ 2 nasce então ancorada na interação entre artista e espectador, em um formato mais informal em que tentamos recriar aquela atmosfera de proximidade a que estávamos acostumados”, explica Thiago Cury, curador e idealizador do Música Estranha. Ainda, “como se estivéssemos em um programa de auditório ao vivo em que o público é convidado por um mediador a dialogar com o artista, intercalando  a apresentação de fragmentos de sua obra. “Por isso a escolha do mediador foi tão importante, pois é ele quem vai conduzir essa interessante troca entre quem se apresenta e quem assiste”. Os mediadores escolhidos em conjunto com os grupos trazem perfis diversos, desde músicos, compositores, artistas visuais e cineastas, até jornalistas e professores.  

 

Destaque para as intervenções artísticas em uma proposta curatorial inédita com  cinco comissionamentos de obras multimídia, num processo de colaboração a longo prazo cujos trabalhos se iniciam nesta edição com a produção de exercícios audiovisuais e se aprofundam por nove meses  resultando na criação especial para a nona edição em novembro próximo..  

 

Através do encontro entre artistas que circulam entre a música de invenção, as artes sonoras e as artes visuais , o Festival busca questionar e refletir sobre o fazer artístico hoje se apoiando em pautas que marcam os tempos atuais explorando a própria rede como meio de expressão.

 

As cinco mesas de debate trazem temas atuais e necessários como inteligência artificial e academia e arte experimental, com convidados de diferentes áreas culturais.  

 

Complementam a programação do Festival oficinas - Tecnologia e Programação para Multimeios, com Alexandre Porres e uma amostra do ‘Música Estranhinha’, atividade dedicada aos pequenos - jovens entre 10 e 15 anos - com Lello Bezerra; também duas Mentorias, guiadas por Thiago Cury, com foco em criadores sonoros, compositores e artistas experimentais com novas abordagens na construção de carreira, na identificação de objetivos e do potencial de cada artista.